Guia completo para uma viagem a Cancún no Caribe Mexicano

Cancún é um dos destinos mais concorridos do Caribe. Dizem que basta pisar nesta praia mexicana para se apaixonar e querer voltar sempre que possível a esse destino. Há até quem sonhe em se casar à beira mar, tornando o clima ainda mais romântico e encantador. Mas nem só de paixão vive Cancún. Suas belezas, misturada à cultura mexicana, com uma dose elevada de badalação, fazem desse lugar uma excelente pedida quando o assunto é viajar para o exterior.

Estive em Cancún em outubro deste ano. Foi minha segunda vez nesse lugar paradisíaco. No texto da semana, trago todas as dicas úteis do que você precisa saber para organizar uma viagem ao paraíso. Bora arrumar as malas e ser feliz pelo mundo? Então, se liga nas informações abaixo para saber o que fazer, como chegar, quando ir, onde comer, onde se hospedar, dentre outras coisas. Vamos lá!

Águas quentes e cristalinas encantam turistas que viajam ao Caribe

Como chegar?

Cancún possui o segundo aeroporto mais movimentado do país, atrás apenas da capital mexicana. Saindo do Brasil, há opções de voos diretos com a GOL partindo de Brasília. Há também a possibilidade de chegar até Cancún com conexões em voos de outras companhias, como é o caso da Copa Airlines (Panamá), Avianca (Colômbia) e da própria Aeroméxico, que tem voos diretos ligando o Brasil à Cidade do México.

Na primeira vez que viajei até Cancún, voei com a Latam até a capital mexicana, conheci a região e só depois peguei um voo interno com uma companhia de baixo custo para seguir viagem até a praia caribenha. Essa também é uma opção caso você deseje desbravar a Cidade do México. Desta vez, voei com a Copa, a partir de Guarulhos, com uma conexão na Cidade do Panamá, para, então, seguir até Cancún num segundo voo com a mesma companhia.

Fique atento às promoções de passagens para encontrar os melhores preços e economizar na sua viagem ao México. Já falamos nesta coluna sobre algumas dicas de aplicativos para economizar na hora de comprar uma passagem aérea. Caso não tenha lido esse texto, basta explorar a nossa aba de turismo aqui mesmo no Ibahia e pegar as melhores dicas.

Se atente à temporada de furacão para não ser pego de surpresa

Quando ir?

Esse é um destino que pode ser explorado em todas as épocas do ano, já que suas temperaturas são sempre um convite ao banho de mar. Porém, há quem prefira não viajar entre os meses de agosto e novembro, que são conhecidos pela famosa temporada de furacões. Isso não quer dizer que se você viajar em um desses meses, vai se deparar com uma enorme tempestade tropical. Não! Esse é apenas um alerta sobre a possibilidade desses eventos da natureza ocorrerem em um desses meses.

Embora setembro e outubro sejam os meses mais chuvosos, eu mesmo estive por lá agora e peguei dias ensolarados com quase nenhuma chuva. Nem sinal de furacão. Se você é do tipo que nem sonha em pegar uma chuvinha num destino de praia, então, se programe para viajar a Cancún entre os meses de fevereiro e maio, que é quando o risco de chuva é mínimo. Já a alta temporada, muito concentrada em dezembro e janeiro, tem bom tempo, mas os preços costumam subir, principalmente com hospedagem.

Se você acha que seguro morreu de velho, planeje sua viagem fora da temporada de furacões. Lembrando que a chance de topar com um deles é mínima. Se escolher viajar em um dos meses citados como propícios a furacões, faça que nem eu e monitore formações tropicais pelo site do Centro Nacional de Furacões no endereço www.hurricanes.gov.

Hotéis da Zona Hotelera são os mais procurados numa viagem a Cancún.

Onde ficar?

Essa é uma das principais dúvidas de quem visita Cancún. A Zona Hotelera, uma das animadas áreas da cidade, abriga resorts que funcionam no esquema “All Inclusive” (tudo incluído) e outros hotéis que não oferecem todas as refeições e bebidas no pacote, mas que possuem boa estrutura. Se hospedar em Cancún não é barato, mas você pode usar de algumas táticas para tentar economizar.

Primeira coisa! Se você vai desbravar a região e fazer vários passeios, esqueça hospedagem em sistema tudo incluído. Neste caso, você pagaria mais caro e sequer usufruiria do que é oferecido. Se sua ideia for ficar apenas no resort, curtindo a estrutura e a praia, então, pode escolher essa opção sem medo.

Se hospedar na Zona Hotelera, principalmente na região mais próxima da famosa boate Coco Bongo, pode ter um custo mais alto, mas também traz comodidades, como o fato de estar mais perto da badalação, de uma variedade maior de restaurantes e dos pontos de partida mais próximos para quem viaja à Isla Mujeres.

As duas vezes que estive em Cancún, fiquei no mesmo hotel, que, embora seja um resort, não funciona no esquema “All Inclusive”, o que deixa a diária um pouco mais barata. Estou falando do Presidente Intercontinental. A estrutura é boa, com piscinas, restaurantes, hidromassagem e praia privativa, além de estar a 15 minutos de caminhada do Coco Bongo e ter um ponto de ônibus na frente.

Outra vantagem é o fato de o hotel oferecer o exame antígeno de detecção do coronavírus de forma totalmente gratuita. Por conta da obrigatoriedade de apresentar esse exame para retorno ao Brasil, isso acaba por ser uma vantagem.

Região próxima ao Coco Bongo concentra a badalação na cidade

Como esses hotéis variam muito de preço, sugiro que pesquise por todas as plataformas, seja Booking, Hoteis.com, Trivago, Expedia, dentre outros. A minha reserva desta vez foi feita pela plataforma Smiles, pois a diferença de preço chegava a R$ 300 de um site para outro. Se atente a isso.

Caso o orçamento permita, escolha se hospedar nesta área central da Zona Hotelera. Você vai estar perto de tudo, o que significa comodidade. Se o orçamento for bem apertado, há opções de hospedagem no Centro de Cancún. Não é uma área turística, mas, levando em conta que o transporte público (ônibus) por lá é bem barato e passa a todo o momento, talvez seja uma boa opção. Sobre o ônibus, falarei mais à frente.

Se você está se questionando sobre AirBnb, confesso que cheguei a pesquisar, mas não achei opções interessantes, já que a Zona Hotelera é dominada pelos hotéis, enquanto apartamentos ficam mais afastados, como no próprio centro de Cancún.

Uma boa opção é se hospedar em Playa del Carmen, onde os hotéis são muito mais baratos que Cancún. A questão é a distância de 1h entre um lugar e outro. Se estiver de carro, talvez isso não seja problema. Mas, se estiver de ônibus, terá que pegar uma locomoção até o Centro de Cancún e de lá tomar outra condução até a área turística.

Pese todos os prós e contras antes de escolher onde ficar e, sobretudo, pesquise bastante. Sobre a Playa del Carmen, trarei todas as dicas no texto da próxima semana. De repente, você vai preferir ficar toda sua viagem por lá e nem vai fazer questão de estar em Cancún, afinal, os dois destinos possuem praias, badalações e passeios similares.

 Onde comer?

A culinária mexicana é uma das mais saborosas do mundo, o que é um convite para provar iguarias como tacos e quesadillas. Fique atento com a pimenta. Quase tudo tem um certo grau de pimenta que pode ser demasiado para alguns paladares. Se você é mais tradicional e prefere comer arroz, frango, massa e coisas similares, não se preocupe. Há de tudo na Zona Hotelera, inclusive as famosas redes de fast food.

Culinária local é uma atração a mais para quem viaja ao México

Para economizar, comi, muitas vezes, em um lugar chamado Las Quekas. É extremamente barato. Para se ter ideia, entre os sabores disponíveis de quesadilla, qualquer uma saía por 12 pesos mexicanos, o que equivale a mais ou menos R$ 3,10 na cotação atual. Eu pedia duas quesadillas, sabores queijo e tinga de pollo (frango) e estava satisfeito com o meu jantar.

Obviamente que também comi em outros lugares, os quais indico a vocês. Um deles é o Restaurante Mextreme, que fica na região do Coco Bongo e conta com bons preços tanto para a comida quanto para bebidas como a tradicional Pina Colada.

Poucos metros do Mextreme tem a famosa pizzaria Dominos, que pode ser uma opção caso você prefira comer pratos mais tradicionais. Os sabores das pizzas são similares aos que as unidades brasileiras comercializam, como, por exemplo, pepperoni, porém os preços são mais caros. A pizza grande para dois custava cerca de R$ 50.

Uma boa opção é explorar os restaurantes do La Isla, um shopping a céu aberto no KM 12,5 da Boulevard Kukulcan, avenida que corta toda Zona Hotelera. Neste lugar, há restaurantes de comida mexicana, como o Taco y Tequila, que vende bons tacos. Neste mesmo shopping, você pode encontrar Mc Donald’s e Burger King, além de sorveterias para o momento de se refrescar, afinal faz bastante calor em Cancún. Você pode optar pelo conhecido Haagen Dasz ou buscar algo mais nacional, como Amorino ou o Aldo’s.

Não esqueça de se refrescar no calor mexicano

 Como se locomover?

O sistema de ônibus de Cancún funciona muito bem, além de ser barato. A empresa que domina o transporte na região e também no país é a ADO. Seus ônibus ligam cidades diferentes, mas também o próprio transporte público de toda Cancún. O valor é bem barato. Apenas 12 pesos por trecho. Com isso, você pode se locomover por todas as praias, ir até a região central, seguir até o La Isla, dentre outros lugares, pegando apenas um ônibus.

São duas linhas, a R1 e R2. Ambas circulam pela Zona Hotelera, mas apenas uma delas entra na região mais central da cidade, que é justamente a R2. Os ônibus passam o tempo inteiro, muitas vezes seguidamente, o que facilita ainda mais usar o transporte. Outra coisa boa é o fato de ter paradas de ônibus bem distribuídas por toda Boulevard Kukulcan.

Se possível, prefira levar o dinheiro trocado. O pagamento é feito direto ao motorista que te dá uma espécie de ticket como comprovante da passagem. Embora seja preferível estar com dinheiro certo, os motoristas dão trocos normalmente, mas não exagere querendo que ele troque uma nota de 100 pesos. Uma coisa é pagar a tarifa de 12 pesos com uma nota de 20, outra totalmente diferente é usar 100 e 200 pesos, por exemplo.

Ônibus é prático e barato para se locomover em Cancún

Táxi é o modal de transporte mais caro da cidade. Fique atento pois não se usa taxímetro em Cancún. Você deve consultar a tabela do taxista. Uber é uma opção que não circula em todas as regiões de Cancún, então abra o aplicativo e verifique se ele está disponível em sua área. Para mim, durante todo o período da viagem, ao abrir o aplicativo, aparecia apenas a informação de que o serviço não estava disponível naquela região.

Há como sair do aeroporto de forma econômica com os ônibus da ADO, mas, neste caso, você precisará seguir até a rodoviária e, de lá, tomar outro ônibus até a Zona Hotelera. Isso pode ser desconfortável se estiver com muita mala. Fique atento e pesquise o que é melhor para seu bolso, pois, ao sair do terminal do aeroporto, haverá uma infinidade de pessoas oferecendo transporte. Prefira pagar em peso, já que a cotação utilizada para o dólar é quase sempre desvantajosa para o visitante nestes casos. E nunca feche com a primeira pessoa que te abordar. Prefira pesquisar de forma a dar preferência a empresas certificadas.

Há ainda opção de transfer ou aluguel de carro. Caso vá alugar carro, se atente se o seu hotel oferece vaga de estacionamento, pois, em alguns lugares, pode ser difícil achar onde estacionar. Se a sua opção pelo aluguel de carro for com foco nos passeios a outras regiões, como Playa, Tulum, Valladolid e Chichen Itzá, esteja ciente de que muitos policiais locais, infelizmente, são corruptos e podem te parar numa blitz para tentar arrancar algum dinheiro, a famosa “propina”, como é chamada toda e qualquer gorjeta em países de língua espanhola da América Latina.

Isso não quer dizer que você passará por esse problema, mas é importante estar preparado para tal. Conheço gente que circulou no México de carro e não enfrentou nenhum perrengue, mas também sei de caso em que policiais pararam duas viajantes e aproveitaram do fato de que elas não sabiam que o contrato de locação servia como documento do carro para arrancar algum dinheiro.

É óbvio que você pode se negar a pagar e seguir até uma delegacia para tentar resolver essa situação. O problema é o transtorno e o tempo que se perde com algo do tipo, podendo até não conseguir resolver na base do diálogo, obtendo apenas um “desconto” por parte dos policiais da bendita delegacia.

Eu viajei de ônibus por toda a região. Preferi não alugar carro. Te digo que dá para conhecer Cancún, Playa e Tulum de ônibus tranquilamente. A ADO oferece um ótimo serviço a preços justos. E se você vai fazer passeios mais distantes, como o próprio Chichen Itzá, pode recorrer às agências de turismo, que foi o que fiz.

Consulte situação da praia para não ser surpreendido com concentração de sargaços

Atenção ao Sargaço

O sargaço é uma alga marinha de coloração escura que tem causado problemas em diversas praias do Caribe. Essa espécie tem causado muito transtorno na região de Cancún, fazendo o poder público trabalhar com máquinas para remover o excesso deste material.

Para consultar quais praias estão sofrendo mais com o sargaço e quais estão melhores para o banho, você pode acessar uma rede de monitoramento criada para este fim. Basta procurar a página “Red de Monitoreo del Sargazo de Quintana Roo” no Facebook, que você terá atualizações quase que diárias com um mapa de toda a região. As praias são classificadas como “sem sargaço”, “muito baixo”, “moderado”, “abundante” e “excessivo”. É bom estar atento a essa dinâmica para preparar melhor o seu roteiro e priorizar trechos de praias que não estejam atingidos por excesso de sargaço.

 O que fazer?

Finalmente, após todas as dicas úteis de Cancún, chegou a hora de falarmos sobre os passeios que você pode fazer pela cidade ou até mesmo para locais próximos, como ilhas, por exemplo.

Praias locais são lindas e devem ser visitadas

Primeira missão: desbrave Cancún! 

Muita gente acaba priorizando passeios fora da cidade e esquece que Cancún tem lindas praias que merecem ser visitadas. Eu indicaria que você fosse ao menos até as playas Delfines, Tortuga e Langosta. Se tiver tempo, pode conhecer outras praias como Caracol, Gaivota Azul e Marlin.

Se gosta de compras, não deixe de ir até a região central, onde fica o Mercado 28. Você também pode visitar o Walmart local, bem como o shopping já citado aqui, o La Isla.

Se é do tipo que gosta de badalação, curta a noite de Cancún em uma das boates. Além da famosa Coco Bongo, que ganhou o mundo por conta do filme “O Máscara”, a região conta com outros badalados e conhecidos bares, como La Vaquita e Senor Frogs.

Isla Mujeres é passeio obrigatório no roteiro de viagem

Isla Mujeres

Esse é mais um passeio obrigatório para quem visita Cancún. A Isla Mujeres está de frente para a região mais central da Zona Hotelera. São apenas 22 minutos de ferry partindo do terminal da Playa Tortuga. Algumas agências oferecem passeios saindo de Cancún até Isla Mujeres, com duração de dia inteiro, incluindo prática de snorkel e parada para almoço por 65 dólares por pessoa.

Esse é um passeio que você consegue fazer sozinho. Eu fiz exatamente isso para economizar. Segui de Playa Tortuga para Isla Mujeres por conta própria. Basta comprar os tickets (ida e volta). Paguei 25 dólares pelos trajetos, partindo 9h de Cancún. Ao chegar na Isla Mujeres, segui a pé até a Playa Norte, que já foi eleita uma das mais bonitas do mundo. É bem pertinho. Uns 15 minutos de caminhada e você está de cara com o paraíso.

Se possível, faça que nem eu. Siga viagem no primeiro horário. Você vai encontrar a Playa Norte bem vazia e poderá desfrutar de toda sua beleza sem a tradicional multidão que chega por volta da hora do almoço nas embarcações particulares. Se preferir, pode seguir até um dos beach clubs do lugar, como o famoso Garrafón. Saiba que isso vai encarecer sua viagem.

Outra possibilidade é seguir de táxi até a Punta Sur, uma bonita praia na ponta oposta a Playa Norte. Embora não seja propícia à prática do banho, o visual é bonito e merece ser visitado. Táxi em Isla Mujeres não é caro. A Associação dos Taxistas fica do lado do terminal de ferry. Há uma tabela com os preços bem visível. Dali até a Punta Sur, por exemplo, o valor é de R$ 100 pesos.

Caso queira, também é possível se hospedar em Isla Mujeres e passar uns dias por lá, fugindo um pouco da maior concentração em Cancún. Eu acho que um dia é suficiente, mas isso vai do gosto da pessoa e do estilo do viajante.

Aproveite para praticar snorkel e observar a vida marinha

Playa del Carmen, Cozumel e Tulum

Se for possível e tiver tempo, eu diria que é melhor que divida sua viagem entre Cancún e Playa, se hospedando metade dos dias em cada um dos lugares. Você não vai se arrepender! Caso isso não seja possível, planeje visitas a esses dois destinos. Playa tem um centro vibrante e uma praia bem tranquila, mas o melhor a se fazer quando o assunto é vida marinha é fechar um passeio até Cozumel.

Cozumel é uma ilha extensa, que fica de frente para Playa, sendo um dos melhores lugares para prática de scuba diving e até mesmo de snorkel. Você vai se encantar com a beleza de Cozumel e com as tonalidades do seu mar. Há ainda opções de beach clubs caso essa seja sua vibe. Vale consultar as possibilidades de passeios com as agências.

Já Tulum tem ganhado fama nos últimos anos não só pelas suas belezas naturais, mas pela Zona Arqueológica. Como fica a apenas meia hora de Playa, talvez seja bem mais interessante fazer esse passeio se estiver hospedado na região. É possível fazer saindo de Cancún, mas, além de cansativo, pode te levar a gastar uns bons dólares.

Não deixe de mergulhar de cabeça na cultura local

Chichen Itzá

Viajar até Cancún e não conhecer Chichen Itzá, uma das novas sete maravilhas do mundo moderno, chega a ser pecado. Uma dica importante é se atentar ao fato de que é mais perto e mais barato visitar esse lugar saindo de Playa del Carmen, mas, se sua viagem estiver restrita ao perímetro de Cancún, também é possível seguir até Chichen Itzá.

Esse é um passeio de dia inteiro, que vai começar nas primeiras horas da manhã, justamente por conta da distância e do tempo que se leva para reunir todos os viajantes no ponto de partida ou pegá-los no hotel, caso contrate essa opção. São mais ou menos 3h entre Cancún e Chichen Itzá. Os passeios costumam incluir almoço, ingressos, guia, bem como parada na região central de Valladolid. Há opções com paradas em um ou dois cenotes. Explico mais na frente o que são cenotes.

Vá a Chichen Itzá e conheça uma das sete nova maravilhas do mundo moderno

Chichen Itzá, conhecida atualmente pela famosa pirâmide, foi, na antiguidade, centro cultural e religioso do povo maia. Ainda é um local cercado de mistérios e que merece a visita. São milhares de visitantes todos os anos. Se for fazer esse passeio, não esqueça de levar chapéu, protetor solar e bastante água. E aproveite as oportunidades em uma das centenas de barraquinhas de artesanato local. Os preços são bons e você pode barganhar.

Caso esteja curioso para saber o valor da entrada por adulto no local, não precisa se preocupar. Aqui a gente traz todas as informações. O valor é de 533 pesos mexicanos. Se estiver de carro, ainda terá que pagar pelo estacionamento, que custa cerca de 150 pesos.

Ik Kil é um dos mais famosos cenotes da região

Cenotes

A natureza foi tão generosa com o México, que, além de suas belas praias, proporcionou um tipo de atração turística bem peculiar. Mas o que são esses benditos cenotes? São aberturas rochosas, por onde a luz do sol entra nas cavernas submersas, proporcionando um visual de tirar o fôlego nas águas, que ganham uma coloração pra lá de especial em contraste com a luz que vem do sol. 

Essas piscinas naturais costumam atrair milhares de turistas todos os anos. E o que não faltam são opções, afinal a região possui mais de 200 cenotes, o que pode causar dor de cabeça na hora de escolher qual visitar. Entre os mais famosos estão o Gran Cenote, o Ik Kil, o Suytun e o Cenote dos Ojos. 

Eu conheci apenas dois por estarem no roteiro do passeio que fiz a Chichen Itzá. O primeiro deles foi o Ik Kil, que acho um dos mais bonitos visualmente, embora esteja quase sempre lotado. O outro que visitei foi o Oxman, que parece muito com o Ik Kil, mas por ainda não ser tão famoso, é mais pacato, oferecendo a possibilidade de desbravar com mais privacidade. 

Os preços de entrada variam muito de um cenote para outro, mas não costumam ser caros. Sugiro que primeiro escolha quais deseja escolher para, em seguida, reunir as informações de preços que estão disponíveis nos sites das atrações. Meu passeio já incluía a entrada nos dois cenotes, então não precisei desembolsar nada a mais por isso. Para se ter ideia, o valor do Ik Kil é de R$ 21 por adulto e R$ 11 por criança. Justo, né? 

Aproveite os dias de sol e pratique esportes aquáticos

Outros passeios

Não é caro se alimentar e se locomover em Cancún e região. O que realmente pode pesar no bolso são os passeios. Esses têm valores em dólar, o que, com a cotação atual do real, acaba deixando a viagem mais salgada. Para se ter ideia, um passeio completo a Cozumel pode sair por 85 dólares por pessoa, mesmo valor do passeio mais completo a Chichen Itzá saindo de Playa. Há opções mais simples por 65 e 75 dólares de Playa até Chichen.

O Jungle Tour é um passeio tradicional em Cancún que eu aconselho a todo e qualquer viajante. O custo por pessoa é de 65 dólares (50 pelo passeio e 15 de taxa ambiental). Com duração de 2h, você vai sair da Zona Hotelera dirigindo sua própria lanchinha. Você aprende na hora os comandos. O guia vai na frente e as outras lanchas o seguem por toda a lagoa, oferecendo um visual incrível de Cancún. 40 minutos depois, estaremos todos na Ponta Nizuc, onde pararemos para praticar snorkel com possibilidade de ver esculturas subaquáticas entre peixes e corais. Em seguida, é hora de fazer o caminho de volta até a Zona Hotelera pela mesma lagoa.

No Caribe Mexicano a ordem é se divertir sem preocupação

Outras opções de passeios estão disponíveis como Isla Mujeres em catamarã por 65 dólares, Nado com golfinhos por 85 dólares e Parasail + Jet Ski por 85 dólares. Todos estes passeios ainda possuem um adicional de 15 dólares por pessoa de taxa ambiental.

A região de Cancún e Playa ainda possui famosos parques aquáticos da rede XCaret. Muitos visitantes aproveitam ao menos um dia para curtir um dos parques. Você precisa saber que essa também é uma opção de passeio, mas confesso que preferi não incluir em meu roteiro por questão estratégica de dinheiro, afinal as entradas são bem caras, ultrapassando a casa dos 100 dólares por pessoa. 

É importante que você escolha quais dessas atrações pretende visitar para quando chegar ao lugar já saber exatamente o que fazer. Com a lista de atrações escolhida, você pode pesquisar preços nas agências e quiosques. Evite fechar passeio nos hotéis. É sempre mais caro comprar passeio diretamente com representante de hotel. Só faça isso em último caso. O passeio que fiz a Cozumel custava 100 dólares no hotel. Esse mesmo passeio saiu por 85 dólares com o brasileiro Luiz, que vive no México e trabalha com turismo. Confesso que foi ótimo falar em português e organizar o roteiro diretamente com um compatriota. Se liguem para não pagar mais por passeios que custam menos. Pesquise sempre!

  • Os preços são baseados em outubro de 2021

E aí, gostou das dicas de Cancún? Já esteve por lá ou tem vontade de conhecer? Me procura no Instagram @issabordo e vamos conversar sobre esse paraíso mexicano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *